Após queda em fevereiro, vendas do comércio sobem 0,3% em março

Inadimplência atinge 62,2 mi de brasileiros
10 de maio de 2018
Varejo deve crescer no ano apesar de segundo trimestre incerto e eleições
14 de maio de 2018

Alta acumulada nos três primeiros meses de 2018 é de 3,8%

Após queda em fevereiro, as vendas do comércio subiram 0,3% em março, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE. Em fevereiro, tinham caído 0,2%. Frente a março de 2017, a alta nas vendas foi de 6,5%. O crescimento acumulado nos três primeiros meses do ano é de 3,8%. Em doze meses, chega a 3,7%. O resultado veio em linha com a expectativa do mercado, que era de alta de 0,3% na comparação mensal e de avanço de 5,5% frente a março de 2017.

Cinco dos oito segmentos do comércio tiveram aumento de vendas entre fevereiro e março. A maior alta foi em combustíveis e lubrificantes, de 1,4%. O movimento, no entanto, não foi suficiente para compensar a perda de 4% acumulada nos quatro meses anteriores.

Também tiveram artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,1%), tecidos, vestuário e calçados e outros artigos de uso pessoal e doméstico (os dois com 0,7%), enquanto móveis e eletrodomésticos tiveram variação de 0,1%.

Queda em hipermercados e supermercados

O setor de hipermercados e supermercados, por sua vez, tiveram queda de 1,1%, o segundo recuo seguido. Nesses dois meses, a perda acumulada é de 1,8%. Também recuaram os segmentos de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-5,0%) e livros, jornais, revistas e papelarias (-1,2%). Os dois setores, no entanto, tinham acumulado alta nos dois primeiros meses do ano, de 12% e 1,9%, respectivamente.

‘Cenário construtivo, mas não exuberante’

O economista do Goldman Sachs Alberto Ramos, responsável pela cobertura da América Latina, apontou que o cenário para o consumo privado e as vendas do varejo no Brasil permanece “construtivo, mas não exuberante”. Ele acredita que, mais à frente, o comércio tenda a ser beneficiado pelo recuo significante no preço de alimentos e na inflação como um todo, pela melhora no emprego e pelas condições gradualmente menos exigentes do crédito.
Fonte: O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *