Banco Central revisa projeção de inflação para 5% neste ano

Receita adia pagamento do Simples Nacional em três meses
25 de março de 2021
Inflação em 2021 tem 12ª alta seguida na estimativa e chega a 4,81%, diz BC
29 de março de 2021

Estimativa fica 1,25 ponto percentual acima da meta, mas ainda está dentro do intervalo de tolerância


Inflação em alta mexe com setores importantes da economia (Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O BC (Banco Central) revisou para cima a projeção para a inflação de 2021, que ficou em 5%, 1,25 ponto percentual acima da meta, mas ainda dentro do intervalo de tolerância. 

A estimativa foi publicada nesta quinta-feira (25).No relatório de inflação anterior, o BC projetava 3,4% para 2021 e 3,4% para 2022. A simulação feita pela autoridade monetária mostra que os preços podem acelerar 4,2% no melhor cenário. No pior, a inflação estouraria o teto da meta e chegaria a 5,8%. 

A meta fixada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) é de 3,75% com tolerância de 1,5 ponto para cima e para baixo.No texto, o BC diz que a probabilidade de estourar o teto aumentou em 33 pontos percentuais desde o relatório anterior –era de 8% e passou para 41%. 

A autarquia diz que os principais motivos para a revisão foram inflação recente acima do esperado, depreciação cambial, elevação do preço das commodities, incluindo petróleo, e aumento das expectativas de preços administrados.Para tentar conter a escalada de preços observada nos últimos meses, o Copom (Comitê de Política Monetária) elevou a taxa básica de juros (Selic) em 0,75 ponto percentual, a 2,75% ao ano, em 17 de março. A alta veio acima das expectativas do mercado. 

O BC também revisou a expectativa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2021 para 3,6%, 0,2 ponto percentual abaixo do divulgado no relatório de dezembro. 

“Ressalte-se que essa perspectiva está condicionada à continuidade do processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira, condição essencial para permitir a recuperação sustentável da economia”, diz o relatório. 

O BC deu ênfase ao crescimento econômico observado nos indicadores recentes e afirmou que a retomada deve ter se estendido até fevereiro, mas ressaltou que ainda não refletem os efeitos piora da pandemia de Covid-19, que, segundo o texto, poderão ser vistos a partir de março. 

“A partir do final de fevereiro foi observada piora mais rápida e mais disseminada nos indicadores da pandemia, que já se encontravam em patamares similares aos registrados no momento mais crítico de 2020. Em resposta à deterioração, novas medidas de distanciamento social foram adotadas por vários governos locais”, destaca. 

“Esse processo de agravamento recente da crise sanitária possivelmente interrompe ou atrasa a recuperação da atividade econômica. De fato, dados de alta frequência já apontam recuo da mobilidade nos municípios mais atingidos pela alta recente nos casos de Covid-19”, completa.Para o BC, no entanto, possível piora da economia seria menos do que no ano passado, quando o vírus chegou ao país e teria recuperação rápida posteriormente. 

Para o mercado de crédito, a autoridade monetária ajustou para cima a previsão de crescimento em 2021, que passou de 7,8% para 8% “com a melhora das perspectivas para o crédito habitacional sendo parcialmente compensada pelo efeito da extinção dos programas de crédito para pessoas jurídicas”. 

“Nos últimos meses do ano observou-se desaceleração do crédito. As concessões para pessoas físicas reverteram a trajetória de recuperação registrada desde junho, apresentando queda em dezembro e janeiro. Nesse período, houve redução dos gastos com cartão à vista, financiamentos de veículos e operações de crédito consignado, consoante ao arrefecimento da atividade varejista”, pontuou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *