CNC reduz previsão de vendas do varejo neste ano

Dólar cai abaixo de R$ 4
29 de maio de 2019
Festas Juninas já movimentam o comércio de Ribeirão Preto
31 de maio de 2019

A confiança do comércio brasileiro melhorou em maio ante abril, mas as perspectivas de investimentos caíram, o que levou a Confederação Nacional do Comércio (CNC) a reduzir de 5,4% a 4,9% a previsão de vendas este ano, ante alta de 6% aventada em janeiro.

Segundo levantamento da entidade divulgado ontem o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) alcançou 79,2 pontos percentuais, alta de 0 3% em relação a abril, porém inferior em 7,2% contra igual período do ano anterior.

“Acreditamos que, com as reformas poderemos mudar esse quadro e diminuir a cautela dos empresários”, diz o presidente da CNC, José Roberto Tadros.Segundo a pesquisa, o subíndice que mede as condições atuais do empresário do comércio subiram 0,8% na comparação com abril, aos 40,8 pontos, mas despencaram 16,2% ante maio de 2018.

O subíndice que mede as expectativas para os próximos meses subiu 0,4%, para 122,3 pontos, mas com queda de 0,1% em comparação com um ano atrás. Já os investimentos tiveram queda de 0,8% contra abril deste ano e de 12,2% na comparação anual.

A CNC observa que mesmo com a maioria dos empresários demonstrando otimismo (92,2%), o percentual cai desde fevereiro, quando o otimismo alcançou 95 3%.

O volume de comerciantes que avaliam as condições atuais como “piores” manteve-se nos mesmo 93,9% de abril. As perspectivas de contratação de funcionários pelo comércio também estão em queda em maio – de 1% contra abril e de 12,2% contra maio 2018.

Para o ano, a expectativa é de que sejam abertos mais 105 mil postos de trabalho no comércio, o que, se confirmado, será o melhor número de contratações desde 2014.”Continuam ausentes indicativos de retomada da atividade, ainda sem perspectivas de recuperação no médio prazo, especialmente em função das condições do mercado de trabalho (desemprego e queda da renda dos consumidores), que seguem influenciando negativamente o consumo”, diz.

Fonte: DCI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *