Comunicado e posicionamento |Coronavírus (COVID-19) e o Comércio Varejista de Ribeirão Preto

Na contramão do restante da economia, setores essenciais aceleram contratações
30 de março de 2020
Após forte alta, vendas no varejo de autosserviço caem 3% na segunda semana de março
1 de abril de 2020

Na manhã desta segunda-feira, 30/3, representantes do Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto (SINCOVARP) e da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL Ribeirão Preto), participaram de reunião ampla, realizada por videoconferência, que contou com o prefeito Duarte Nogueira, seu secretariado e gestores de diversas repartições, autoridades em saúde, polícias militar, civil e federal, ministério público, além dos demais representantes de entidades de classe, shoppings centers e veículos de imprensa.

Após relatos dos técnicos da área de saúde, envolvidos diretamente no combate a COVID-19, sobre o cenário atual e as perspectivas de avanço da pandemia em Ribeirão Preto, e com o alerta feito por eles enfatizando que os próximos 9 dias, entre 30/3 e 7/4, serão decisivos para a tentativa de frear o coronavírus, na cidade e região, o prefeito Duarte Nogueira confirmou que decidiu manter a quarentena até o próximo dia 7/4 (terça-feira), conforme as regras do decreto em vigor desde o último dia 23/3 (terça-feira).

Diante desta decisão, SINCOVARP e CDL RP defendem que, após a data de 7/4, o prefeito Duarte Nogueira e demais autoridades coloquem em prática medidas que possam viabilizar, ainda que de forma gradual, a retomada da atividade econômica e a REABERTURA DO COMÉRCIO VAREJISTA de Ribeirão Preto, o mais rápido possível. Para isso, as duas instituições se colocam à disposição e querem colaborar no que for necessário.

É fundamental que esse retorno tenha respaldo técnico das autoridades em saúde e que sejam adotadas todas as medidas para a proteção da vida, em especial das pessoas que fazem parte dos grupos de risco.

A retomada será fundamental para que a cidade não sofra um verdadeiro colapso com consequências ainda mais devastadoras até mesmo para o combate a COVID-19.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *