Confiança do comércio recua em julho e volta ao nível de março

Intenção de consumo das famílias paulistanas cresce em julho, mas desemprego ainda preocupa, aponta FecomercioSP
26 de julho de 2017
Vendas do varejo paulista devem crescer 7% em agosto, mês do Dia dos Pais, aponta FecomercioSP
28 de julho de 2017

A queda ocorreu em 11 dos 13 segmentos pesquisados e foi determinada por pioras tanto das expectativas quanto das avaliações sobre a situação atual

O índice de confiança do comércio da Fundação Getulio Vargas (FGV) recuou 2,3 pontos em julho, passando de 85,7 para 83,4 pontos, o que fez com que o indicador retornasse ao nível de março.

A queda ocorreu em 11 dos 13 segmentos pesquisados e foi determinada por pioras tanto das expectativas quanto das avaliações sobre a situação atual. O índice de expectativas cedeu 4 pontos, para 88,4 pontos. Já o índice da situação atual caiu 0,4 ponto, para 79,2 pontos.

Para Aloisio Campelo Jr., superintendente de Estatísticas Públicas da FGV/IBRE, o resultado mostra que o aumento da incerteza com a crise política pode ter impactado “o lado real da economia”.

“Os indicadores que medem a percepção sobre o nível de demanda atual e as perspectivas para contratações nos meses seguintes estabilizaram-se em níveis mais fracos que os do bimestre abril-maio. Mais sintomática da piora do ambiente de negócios foi a perda de fôlego do segmento revendedor de duráveis, que vinha observando até junho uma recuperação gradual do otimismo alavancada pela queda dos juros e pela entrada de recursos do FGTS”, avaliou.

Média trimestral

Em julho, o indicador de médias móveis trimestrais caiu pelo segundo mês consecutivo, depois de subir entre janeiro e maio. O comportamento recente do índice, no entanto, não vinha sendo homogêneo entre os diferentes segmentos, segundo a FGV.

Enquanto a confiança dos revendedores de bens não duráveis já vinha em queda desde maio, o índice dos revendedores de duráveis manteve a trajetória positiva até junho, quando alcançou a marca próxima aos 100 pontos. Neste mês, o índice de expectativas dos duráveis também recuou, mostrando que o aumento da incerteza começa a afetar um segmento que vinha se tornando gradualmente mais otimista ao longo do primeiro semestre.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *