Inflação fica em 0,86% em fevereiro; maior valor desde 2016

10 de março de 2021
Vendas no varejo caem 0,2% em janeiro; metade das atividades registraram queda
12 de março de 2021

Combustíveis, transportes e educação puxaram a alta do índice

Siga o iG no Google

Por Brasil Econômico | 11/03/2021 09:51 –

Atualizada às 11/03/2021 10:32

Puxado pelos combustíveis, educação e transportes a alta foi a maior em 5 anos
ArquivoPuxado pelos combustíveis, educação e transportes a alta foi a maior em 5 anos

O  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (11) o resultado do  Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,86% em fevereiro. No mês de janeiro, o índice sofreu uma leve retração, registrando alta de 0,25% em comparação ao aumento de 1,35% em dezembro . Esté o maior salto no mês de fevereiro desde 2016 , quando ficou em 0,9%.

A expectativa dos analistas era de 0,7% para o mês. Sendo assim, aumentam as possibilidades de o Banco Central interferir diretamente na taxa básica de juros (Selic), principal mecanismo de contenção da alta nos preços.

Continua após a publicidadehttps://301e80676579917de857671771a8e526.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Para Matheus Jaconeli, Economista da Nova Futura Investimentos, a expectativa é que o IPCA tenha uma alta anual em torno de 5,05% e, no mês de fevereiro, o avanço pode ficar por volta de 0,70%. “Esse avanço nos preços se deve, em grande medida, por conta da alta dos ciclos das commodities e alta nos preços dos combustíveis . Assim, mesmo com a atividade econômica fraca, a elevação dos preços contribuirá para que o Banco Central considere a elevação da taxa de juros antes do que se esperava a fim de manter o nível de preços”, explica.

A inflação foi puxada especialmente pelos combustíveis. A gasolina subiu 7,11%, o etanol 8,06%, o diesel 5,4% e o GNV (gás veicular) 0,69% só neste mês. Com isso, o setor de transportes também registrou forte alta, 2,28%. Confira todos os setores: 

  • Alimentação e bebidas: 0,27%
  • Habitação: 0,40%
  • Artigos de residência: 0,66%
  • Vestuário: 0,38%
  • Transportes: 2,28%
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,6%
  • Despesas pessoais: 0,17%
  • Educação: 2,48%
  • Comunicação: -0,13%

Apesar da retração em comparação com o mês passado nos setores de alimentação e bebidas, os transportes e a educação compensaram e mantiveram o índice geral em alta.

Segundo Fernando Scofano, Consultor de Valores Mobiliários da K1 Capital Humano “A bandeira amarela na energia elétrica e os reajustes na educação também contribuem para essa expectativa. O aumento nas commodities e nos bens industriais junto com a desvalorização do real formam uma tendência de alta no IPCA. Desta forma, acredito que esse cenário é um fator que influenciará a favor de uma alta na meta da Selic para 2,50% na próxima reunião do Copom, apesar das preocupações com o enfraquecimento da atividade econômica”, afirma.

Fonte: Economia – iG @ https://economia.ig.com.br/2021-03-11/puxada-pela-gasolina-inflacao-sobe-086-em-fevereiro-maior-alta-desde-2016.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *