INSS começa a pagar o 13º a 300 mil aposentados e pensionistas na região

Dólar opera em queda nesta segunda, abaixo de R$ 4,10
27 de agosto de 2018
Varejo vê loja física como peça-chave na melhora da experiência do cliente
29 de agosto de 2018

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) começou a pagar ontem a primeira parcela do 13º a quase 300 mil aposentados e pensionistas de Ribeirão Preto e região. No Brasil todo, serão 30 milhões de beneficiados.

A maior parte do dinheiro, no entanto, deverá ser utilizada para quitar dívidas. O economista do Sincovarp (Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto), Marcelo Bosi Rodrigues, estima que menos da metade dos beneficiados deverá utilizar o recurso extra em compras no comércio.

“Mas Ribeirão Preto tem um número de aposentados grande, então a expectativa é que haja uma injeção significativa na economia. É uma época com pouco apelo comercial que pode fazer diferença grande para o comerciante”, pontuou.

A consulta pode ser feita pelo site meu.inss.gov.br ou pelo aplicativo disponível em Histórico de Crédito do Benefício. Também é possível comparecer a agências do INSS ou criar uma senha no site do órgão.

Os depósitos da primeira parcela do 13º serão feitos até 10 de setembro, junto com a folha mensal de pagamentos do INSS (leia mais no quadro à direita o calendário de pagamentos).

O pagamento para quem recebe até 1 salário mínimo começou ontem. Para quem recebe acima disso, como Orlando Parizi, 78, o pagamento começa dia 3 de setembro. “Ainda não verifiquei que dia exatamente vou receber”, declarou o aposentado há 12 anos.

Segundo o governo federal, o dinheiro da primeira parcela do 13º deverá injetar R$ 21 bilhões na economia brasileira, nos meses de agosto e setembro. A assessoria de imprensa do INSS declarou que não tem dados sobre o volume financeiro referente à região de Ribeirão Preto.

Direito

Tem direito ao 13º quem, durante o ano, recebeu benefícios previdenciários como aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão ou salário-maternidade.

A maioria dos aposentados e pensionistas vai receber 50% do valor do benefício. A exceção é para quem passou a receber o benefício depois de janeiro de 2018. Nesse caso, o valor será calculado de forma proporcional. Já para quem recebe auxílio-doença e salário-maternidade, o valor do 13º será proporcional ao período recebido. Injetará

R$ 21 bilhões na economia brasileira, nos meses de agosto e setembro, o pagamento da primeira parcela do 13º aos aposentados.

A gente tem que controlar

O aposentado Orlando Parizi sempre foi prudente com os gastos. Tem cartão de crédito, mas nunca desbloqueou quando precisa comprar algo, tira o dinheiro no banco. “A gente tem que controlar, não pode gastar mais do que ganha”, ensina. Como não tem dívidas a pagar, Orlando pretende utilizar a renda extra obtida com o 13º do INSS para ter um final de ano mais farto. “Fazer bons almoços, comprar boa cerveja, não devo nada”, destacou.

Além disso, no próximo mês o aposentado já programou viajar com a mulher, a filha e o genro. “Vamos provavelmente para Caldas Novas (GO)”, declarou. Parizi conta que tem pequenos gastos com remédios compra para ele e a mulher apenas medicação contra pressão alta.

“O plano de saúde que é uma nota preta. A gente vai ficando mais velho e sobe muito o preço”, reclamou. Investimento de baixo risco O economista e assessor de investimentos Luiz Fukuhara orienta os aposentados e pensionistas que não têm dívidas a optarem por investimentos com alta liquidez e baixo risco, como Tesouro Selic, CDBs de liquidez diária ou fundos DI. “Exerça o poder de negociação e compare as opções”, aconselha.

Segundo o especialista, a busca por investimentos conservadores tem a ver com o cenário de alta volatilidade por conta das pesquisas eleitorais em um ambiente altamente incerto, com alta pulverização de intenções de voto entre os candidatos. “Essa conjuntura provoca cautela nos investimentos, principalmente para a população mais idosa”, pontuou.

Dívidas

No caso de dívidas, Fukuhara orienta a utilização do recurso para quitar primeiro os débitos com custo efetivo total (soma de juros, taxas do banco e eventuais encargos) mais alto. “No caso de mais de uma dívida, deve-se fazer uma escadinha, quitando o máximo de dívida em ordem decrescente de custo, do mais alto para o mais baixo. Renegociação com o credor é sempre algo bem-vindo para as remanescentes”, conclui.

Proporcional

Como esse benefício é temporário, o INSS calcula a antecipação proporcional ao período. Por exemplo, um benefício iniciado em janeiro e ainda em vigor em agosto terá o 13º terceiro salário calculado sobre oito meses. A segunda parcela será paga juntamente com os benefícios de novembro. Aqueles que recebem benefícios assistenciais BPC/Loas (Benefício de Prestação Continuada da Lei Orgânica da Assistência Social) e RMV (Renda Mensal Vitalícia) não têm direito ao 13º.

Fonte: A Cidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *