Intenção de consumo cai pela segunda vez consecutiva em maio e mostra cautela das famílias paulistanas, aponta FecomercioSP

Horário de funcionamento do comércio no feriado de Corpus Christi
30 de maio de 2018
Comércio varejista na região de Ribeirão Preto fechou 199 postos formais de trabalho em março, aponta FecomercioSP
5 de junho de 2018

Segundo a Entidade, avaliação das famílias em relação a compra de bens duráveis registrou queda de 5,3%, a maior variação negativa entre os itens pesquisados

Em maio, o Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) chegou aos 91,8, pontos, queda de 1,1% em relação a abril, quando registrou 92,9 pontos. Na comparação com o mesmo período do ano passado, houve elevação de 16,8%, quando marcava 78,6 pontos.

O ICF é apurado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e varia de zero a 200 pontos – abaixo de 100 pontos significa insatisfação e acima de 100, satisfação em relação às condições de consumo.

Dos sete itens analisados pela pesquisa, cinco recuaram na comparação mensal. O destaque ficou por conta do item Momento para duráveis que passou dos 68,1 pontos em abril para 64,5 pontos em maio, queda de 5,3%. A parcela de consumidores entrevistados que considera ser um bom momento para a compra de bens duráveis (veículos, eletrônicos etc.) passou de 34,6% em março para 28,3% em maio, recuo de 6,3 pontos porcentuais. Entretanto, o patamar é superior ao visto em maio do ano passado, de 23,5%.

A segunda maior queda no comparativo mensal foi do item Renda atual, de 3,3%, passando de 103,1 pontos para os 99,8 pontos atuais e voltou a ficar próximo da área de indiferença (100 pontos). No comparativo anual, houve um aumento de 12,1%.

A percepção dos paulistanos sobre a facilidade em contrair financiamento também caiu pelo segundo mês consecutivo. O item Acesso a crédito recuou 2,2%, ao passar de 94 pontos em abril para 91,9 pontos em maio. No contraponto anual, porém, houve crescimento de 21,4%. Isso significa que o porcentual de entrevistados que disseram estar mais difícil a obtenção de crédito para compras a prazo passou, em um ano, de 48,4% para 40%.

Os dois únicos itens que permaneceram na zona de satisfação, acima dos 100 pontos, foram Emprego atual e Perspectiva profissional. Ambos ficaram tecnicamente estáveis na comparação com o mês de abril, com variação de -0,3%. Na comparação anual, os dois apresentaram crescimento, o primeiro de 8,7%, atingindo 111,7 pontos, e o segundo, de 6%, registrando 114,3 pontos no mês

Os itens Nível de consumo atual e Perspectiva de consumo, por sua vez, apontaram aumento no comparativo mensal e também foram os que mais cresceram na comparação com o mês de maio do ano passado, 28,1% e 31,5% respectivamente. O item Nível de consumo atual obteve leve crescimento de 0,4% em relação a abril, mas continua sendo o item com pior avaliação do ICF, com 62 pontos.

O item Perspectiva de consumo cresceu pelo segundo mês consecutivo, atingindo 98,5 pontos, o maior patamar desde dezembro de 2014, e se aproxima da zona de satisfação. Em maio do ano passado, 20% dos paulistanos responderam que aumentariam os gastos nos próximos meses e, atualmente, são 34,1%.

Na análise por faixa de renda, a intenção de consumo das famílias com renda superior a dez salários mínimos caiu pelo segundo mês consecutivo (-2,1%), mas ainda permanece na área da satisfação, com 101,3 pontos. Apesar da queda, cinco dos sete itens estão acima de 100 pontos. Para o grupo com renda até 10 salários mínimos, o ICF atingiu 88,6 pontos, ligeira queda de 0,7% em relação a abril. Para esse grupo aconteceu o inverso: cinco dos sete itens estão na zona de insatisfação.

De acordo com a FecomercioSP, os números mostram claramente que as condições econômicas das famílias são melhores do que há um ano. Contudo, a economia e o emprego estão crescendo em um ritmo mais lento do que se esperava. Isso é reflexo de um cenário político de incertezas que traz um pouco mais de cautela aos consumidores. Além disso, apesar da inflação estar controlada e com deflação no grupo de alimentos, as altas no gás e na gasolina, por exemplo, fazem com que as famílias sintam uma perda do poder de compra.

Para a assessoria econômica da Entidade, apesar da segunda retração seguida, não há indícios suficientes para acreditar numa reversão de tendência do ICF. Inflação e juros estão em queda, e a geração de emprego vem acontecendo a passos lentos. O que o resultado pode sinalizar é que o indicador está encontrando o seu novo patamar de oscilação, pouco acima dos 90 pontos, o que já será um bom resultado se comparado aos índices registrados ao longo de 2017. A Federação ressalta, também, que os impactos da paralisação de caminhoneiros só serão mensurados no ICF dos próximos meses.

Metodologia

O Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) é apurado mensalmente pela FecomercioSP desde janeiro de 2010, com dados de 2,2 mil consumidores no município de São Paulo. O ICF é composto por sete itens: Emprego atual; Perspectiva profissional; Renda atual; Acesso ao crédito; Nível de consumo atual; Perspectiva de consumo; e Momento para duráveis. O índice vai de zero a 200 pontos, no qual abaixo de 100 pontos é considerado insatisfatório e acima de 100 pontos é denotado como satisfatório. O objetivo da pesquisa é ser um indicador antecedente de vendas do comércio, tornando possível, a partir do ponto de vista dos consumidores e não por uso de modelos econométricos, ser uma ferramenta poderosa para o varejo, para os fabricantes, para as consultorias e para as instituições financeiras.

Fonte: FecomercioSP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *