Intenção de financiamento dos paulistanos cresce 26% em agosto, aponta FecomercioSP

Paulistanos acreditam em melhora do emprego, e intenção de consumo das famílias cresce em agosto, aponta FecomercioSP
29 de agosto de 2017
Dólar opera em leve alta, repercutindo votação da meta fiscal
31 de agosto de 2017

Pesquisa da Entidade demonstra uma melhora na perspectiva do consumidor, em razão da melhora na economia geral

Após ter atingido patamar mínimo histórico em julho, o Índice de Intenção de Financiamento das famílias paulistanas subiu 26% em agosto, passando dos 14 pontos em julho para 17,6 pontos no mês atual, e 15,4% superior na comparação com o mesmo mês de 2016, quando o indicador alcançou 15,3 pontos. Os indicadores positivos da economia brasileira divulgados recentemente, como emprego, inflação baixa, retomada da produção industrial, vendas de automóveis, melhora na balança comercial e na produção agrícola, entre outros, podem ter contribuído para essa alta.

Os dados são da Pesquisa de Risco e Intenção e Endividamento (PRIE), elaborada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), e mostram uma aparente retomada na intenção de contrair dívidas. De acordo com a assessoria econômica, para que essa tendência permaneça nos próximos meses, ainda é preciso primeiro reduzir o endividamento (ou ao menos melhorar o perfil das dívidas) e solidificar a retomada do emprego para somente depois encorajar maciçamente as famílias (e os bancos) a voltar ao mercado de crédito, que é o grande “alavancador” das vendas, principalmente para setores como o de bens duráveis e o segmento imobiliário.

O Índice de Segurança de Crédito, que mede a capacidade de pagamento com base na posse de reservas financeiras, por outro lado, registrou retração na comparação mensal (-2,9%), atingindo 81,4 pontos no mês atual ante os 83,7 pontos registrados em julho, e 3,5% inferior ao apurado em agosto de 2016, quando o indicador marcou 84,3 pontos.

A segurança de crédito apresentou assimetria entre endividados e não endividados, sendo o primeiro grupo responsável pela queda mensal do indicador. Entre os endividados, houve retração de 4,9% na segurança de crédito, que atingiu 65,2 pontos ante os 68,6 pontos registrados em julho. Na comparação com agosto de 2016, houve queda menos acentuada (-1,6%), quando o índice registrou 66,3 pontos. Entre os não endividados, houve leve crescimento (0,6%) na comparação mensal, passando dos 100 para os 100,6 pontos em agosto, e queda de 3% no contraponto anual, quando o indicador marcou 103,6 pontos.

Para a FecomercioSP, os sinais de que a economia começa a voltar ao normal no Brasil estão se confirmando, depois de quase três anos de recessão e inflação, a pior combinação possível. As famílias temem, porém, além da fragilidade dessa recuperação, os efeitos da nova crise política, que envolve os principais partidos e personagens do Brasil. Segundo a Entidade, havia evidente risco do ambiente conturbado na política contaminar o cenário econômico, mas ele está se mostrando surpreendentemente descolado do mau humor político.

Aplicações

Em agosto, 61,8% dos aplicadores tinham na poupança o principal destino dos seus recursos, alta de 3 pontos porcentuais (p.p.) em relação aos 58,8% apurados em julho. Em agosto de 2016, a proporção era de 64,3%. Os que aplicam em renda fixa alcançou 19,9%, queda de 1,2 p.p. em relação ao mês anterior e crescimento de 2,2 p.p em relação aos 17,7% registrados em agosto de 2016.

Os indicadores da FecomercioSP mostram que, em tese, consumidores e empresários começam a se despedir do mais recente episódio de crise, e, com adicional positivo de que a percepção geral é de que o governo manteve boa capacidade de aprovação das reformas e com boa probabilidade de aprovar a da Previdência Social ainda neste ano. Se isso se confirmar nos próximos dias, a Federação aponta ser possível que novos saltos de confiança aconteçam por meio do mercado de ações e de crédito e também da queda do “risco Brasil” e dos juros internos.

Sobre a PRIE

A Pesquisa de Risco e Intenção de Endividamento (PRIE) – apurada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) – tem o objetivo de acompanhar o interesse dos paulistanos em contrair crédito e a evolução da proporção de famílias endividadas na capital paulista que possuam aplicações financeiras, o que gera um índice de risco inerente a essas operações. Os dados que compõem a PRIE são coletados em 2,2 mil entrevistas mensais realizadas na cidade de São Paulo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *