Mercado de trabalho do varejo na região de Ribeirão Preto tem alta de 1,3% em agosto

Comércio de Ribeirão Preto terá abertura facultativa no feriado de Finados
26 de outubro de 2018
SINCOVARP promove o curso “Loja ideal vende mais no Natal”
30 de outubro de 2018

De acordo com a FecomercioSP, com 950 novas vagas criadas, região registrou o melhor desempenho do Estado

O comércio varejista de Ribeirão Preto voltou a abrir novos postos de trabalho. Em agosto, foram criados 950 empregos formais, resultado de 5.323 admissões e 4.373 desligamentos, alta de 1,3% em relação ao mesmo período do ano passado. No acumulado dos últimos 12 meses, 1.787 empregos foram criados. Com esse desempenho, o estoque ativo do comércio varejista na região registrou 141.656 vínculos empregatícios ativos, o melhor desempenho entre as 16 regiões analisadas no Estado.

As informações são da Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP Varejo), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), elaborada com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, obtido com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

No comparativo anual, das nove atividades analisadas, sete apontaram alta do estoque de empregados, com destaque para os segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (4,9%) e farmácias e perfumarias (2,9%). Em contrapartida, vestuário, tecidos e calçados (-1,6%) e autopeças e acessórios (-0,2%) sofreram as maiores quedas em relação ao mesmo período de 2017.

Desempenho estadual

O comércio varejista no Estado de São Paulo voltou a abrir novos postos de trabalho em agosto, após três meses de baixas. No mês, foram criados 8.862 empregos formais, resultado de 75.979 admissões e 67.117 desligamentos. Foi o melhor saldo para agosto desde 2014. Com esse desempenho, o setor encerrou agosto com um estoque ativo de 2.064.167 de vínculos empregatícios, leve queda de 0,1% em relação ao mesmo mês do ano passado. Entretanto, no acumulado dos últimos 12 meses, 1.741 vagas foram eliminadas.

Em agosto, as nove atividades analisadas registraram crescimento do estoque de empregados, com destaque para supermercados, com geração de 4.782 novas vagas.

No comparativo anual, quatro das nove atividades analisadas apontaram crescimento do estoque de empregados em relação ao mesmo mês do ano anterior, com destaque para os segmentos de farmácias e perfumarias (1,9%) e de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (1,8%). Por outro lado, os setores de lojas de vestuário, tecidos e calçados (-2,4%) e lojas de móveis e decoração (-1,4%) sofreram as maiores quedas na mesma base comparativa.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, em agosto, sazonalmente há geração de vagas, visto que o número de desligamentos de trabalhadores é mais baixo nesse mês. Isso acorre porque o período antecede a data-base de boa parte da categoria, em 1° de setembro. Conforme a lei, se o empregado for dispensado sem justa causa no período de 30 dias que antecede sua correção salarial, terá direito à indenização adicional equivalente a um salário mensal. Esse aumento de custo à dispensa desestimula o empresário do varejo a demitir sem justa causa, e, por isso, os 67.117 desligados em agosto é o menor patamar mensal de 2018 até agora. Assim, a geração de vagas se alavanca. Além desse processo, são notáveis as boas perspectivas que marcam normalmente o segundo semestre para o varejo, muito influenciado pela injeção do décimo terceiro salário, avalia a Federeção.

A Entidade ressalta sobre as contratações de trabalhadores temporários para as vendas de fim de ano. A FecomercioSP sugere que o empresário faça seu planejamento do quadro funcional para avaliar a necessidade de admissões, assim como as possibilidades dos tipos de jornadas de trabalho e suas peculiaridades e regramentos: trabalho temporário, contrato por tempo determinado, contratação direta, modalidade intermitente e contrato com jornadas especiais.

Região de Ribeirão Preto

Aguaí, Águas da Prata, Altinópolis, Aramina, Barretos, Barrinha, Batatais, Bebedouro, Brodowski, Caconde, Cajuru, Casa Branca, Cássia dos Coqueiros, Colina, Colômbia, Cravinhos, Cristais Paulista, Divinolândia, Dumont, Franca, Guaíra, Guará, Guariba, Guatapará, Igarapava, Ipuã, Itirapuã, Itobi, Ituverava, Jaborandi, Jaboticabal, Jardinópolis, Jeriquara, Luiz Antônio, Miguelópolis, Mococa, Monte Azul Paulista, Morro Agudo, Nuporanga, Orlândia, Patrocínio Paulista, Pedregulho, Pitangueiras, Pontal, Pradópolis, Restinga, Ribeirão Corrente, Ribeirão Preto, Rifaina, Sales Oliveira, Santa Cruz da Esperança, Santa Rosa de Viterbo, Santo Antônio da Alegria, São João da Boa Vista, São Joaquim da Barra, São José da Bela Vista, São José do Rio Pardo, São Sebastião da Grama, São Simão, Serra Azul, Serrana, Sertãozinho, Taiaçu, Taiúva, Tapiratiba, Taquaral, Terra Roxa, Vargem Grande do Sul, Viradouro.

Nota metodológica

A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP-Varejo) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos; materiais de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; supermercados; e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e do impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Fonte: FecomercioSP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *