Mesmo com varejo em baixa, receita do e-commerce sobe 23% em 2019

Com recuo no varejo, dólar bate novo recorde e alcança R$ 4,35 pela primeira vez
13 de fevereiro de 2020
Horário de funcionamento do comércio no Carnaval
17 de fevereiro de 2020

Brasileiros gastaram 75 bilhões de reais no comércio eletrônico. Número de consumidores que fizeram compras online subiu 41% em relação a 2018

O comércio eletrônico se acostumou a ter altas de dois dígitos na última década. O ano de 2019 não foi diferente, e mostrou ainda um crescimento superior ao de 2018 e 2017.

O faturamento no comércio eletrônico nacional foi de 75,1 bilhões de reais em 2019, alta de 23%. De 2017 a 2018, a alta no e-commerce havia sido de somente 7,6%. Foram 178,5 milhões de pedidos feitos pelos brasileiros, 22% a mais do que em 2018.

Os números estão na segunda edição do relatório Neotrust, da empresa de inteligência especializada em e-commerce Compre&Confie, divulgado nesta quinta-feira, 13, com informações relativas à performance das compras online brasileiras no ano passado.

Também aumentou sobremaneira o número de consumidores usando a internet para comprar. Foram 31,4 milhões de brasileiros que fizeram pelo menos uma compra online, alta de 41% em relação ao ano anterior. De 2017 para 2018, o número de consumidores havia caído ligeiramente, com cerca de 500.000 consumidores há menos.

Na Black Friday passada, uma das modalidades que mais chamaram a atenção dos compradores foi a opção de “Retira Loja”, segundo um estudo do Google divulgado algumas semanas antes da data, que acontece em novembro. A pesquisa apontou que 39% dos brasileiros consideram a opção como muito importante na hora de decidir a loja na Black Friday e que 24% dos compradores em 2019 esperavam usar essa forma de entrega para suas compras online.

Já o tíquete médio de gastos dos clientes ficou basicamente no mesmo patamar (com alta de somente 0,2%). Ao longo do ano, um mesmo consumidor gastou em média 2.121 reais e fez seis compras.

O Brasil que não é o Sudeste
As compras online ainda mostram um grande abismo em sua disseminação, seja regional ou geracional. A média de idade dos consumidores do e-commerce é de 37 anos, e a maioria (52%) é mulher, segundo a Compre&Confie. Na divisão por faixa etária, a maior parte dos consumidores tem entre 36 e 50 anos (33,6%) e entre 26 e 35 anos (31,8%).

O relatório mostra que as compras online ainda não chegaram com grande vigor à geração Z (pessoas de até 25 anos), que respondem por 19,5% dos consumidores — jovens com essa idade estão ingressando somente agora no mercado de trabalho e possuem menos dinheiro para compras. A boa notícia é que, em breve, esses consumidores, que já nasceram adaptados à era digital, responderão por boa parte do mercado e devem ter uma maior receptividade às compras online.

A situação contrária acontece com os clientes acima de 51 anos, que têm dinheiro, mas não o hábito de comprar online. Essa fatia da população representaram 15,1% dos consumidores em 2019 (a faixa etária com menos clientes).

Apesar do crescimento, o número de clientes que comprou online em 2019 representa somente 15% dos mais de 210 milhões de brasileiros, ou na casa dos 20% dos brasileiros acima de 15 anos, segundo o censo populacional do IBGE. Assim, o comércio eletrônico ainda tem um longo caminho a percorrer até atingir de fato todas as partes do Brasil e todas as classes sociais.

A desigualdade entre as regiões também é alta. O Sudeste sozinho responde por 66% do volume de vendas online no Brasil, seguido por Sul (14%), Nordeste (12%), Centro-Oeste (6%) e Norte (2%).

Por outro lado, as vendas no Nordeste subiram 26%, mais do que a média nacional de 23%. Chegar às regiões pouco exploradas pelo e-commerce e montar uma cadeia logística capaz de atendê-las deve se tornar um dos principais desafios das grandes varejistas nos próximos anos.

Um dos desafios será o custo do frete das cadeias de logística necessárias para atender a todas as regiões do Brasil. O frete médio dos pedidos também vem crescendo desde 2017, passando de 16,87 reais naquele ano para 20,63 reais em 2019. Ainda assim, a porcentagem de pedidos com frete grátis segue a mesma: 45% dos fretes são gratuitos e 55% são pagos.

Outro estudo da Compre&Confie, encomendado por EXAME no ano passado, mostrou que uma entrega leva em média mais de 13 dias no Brasil — período que chegou a passar de 18 dias na Black Friday. Uma das saídas que as grandes varejistas vêm usando é integrar o estoque das lojas físicas, já espalhadas pelo território, ao comércio eletrônico, tornando a loja um mini-centro de distribuição e barateando o custo do frete.

Não há crise no e-commerce?
Como de praxe no varejo, a maior parte do faturamento veio no segundo semestre, que é composto por mais datas comemorativas, como Natal, Black Friday e Dia das Crianças. O e-commerce também foi beneficiado por uma ligeira retomada do varejo, cujas vendas subiram por sete meses consecutivos no fim de 2019, até novembro. Mas a recuperação no varejo nacional ainda engatinha: dados divulgados nesta semana pelo IBGE mostram que o varejo recuou em dezembro e também que fechou 2019 com alta de apenas 2,6% (ante alta de 3,5% entre 2017 e 2018).

Para 2020, a Compre&Confie estima um crescimento de 18% no número de pedidos no e-commerce, que devem passar de 210 milhões neste ano. A projeção é que o faturamento suba 21%, para 90,7 bilhões de reais.

Um dos maiores desafios dos próximos anos será também diversificar a participação de novas categorias nas vendas — o que alguns chamam de segunda, terceira ou mesmo quarta “onda” do varejo.

A ideia é fazer os brasileiros olharem para a internet para comprar absolutamente tudo — de comida a itens de pet shop ou móveis. Atualmente, a categoria campeã de pedidos no e-commerce é Moda e Acessórios (21%) dos pedidos. Contudo, eletrônicos e eletrodomésticos são os que mais faturam, devido ao alto tíquete dos pedidos.

A boa notícia para o comércio eletrônico é que a categoria consegue crescer mesmo com o mau momento da economia brasileira. A má notícia é que a distinção entre as vendas online e físicas começa a ficar cada vez mais tênue, com modelos mais voltados ao multicanal e estoques online e físicos integrados em grandes varejistas. Assim, se a economia não melhorar, não há multicanal que salve o varejo.

Fonte: Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *