Preço dos alimentos acumula alta de 25% no ano; arroz, óleo e carne disparam

Caminhão da Serasa está em Ribeirão para campanha ‘Limpa Nome’
2 de dezembro de 2020
Alta de preços recente não afeta inflação futura, diz Ministério da Economia
15 de dezembro de 2020

INFLAÇÃO

Desvalorização cambial e o aumento do preço desses itens em dólar estimularam o aumento dos alimentos

Por iG Último Segundo | 07/12/2020 22:59

Alimentos no supermercado
Ana Branco/Agência O GloboAlimentos batem maior alta desde o início do plano real

O preço dos alimentos tem assustado consumidores em todo o país, e registram alta de 25% em 2020, a maior desde o início do Plano Real. Matérias primas brutas como soja, milho, carne e minério de ferro chegaram a aumentar 67,9%, segundo levantamento do Ibre da FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas).

Entre os motivos dessa alta estão a desvalorização cambial e o aumento do preço desses itens em dólar. Pesam também o desabastecimento de alguns produtos por causa do aumento das exportações e do rápido aquecimento da demanda, após a paralisação de diversas cadeias produtivas por causa da pandemia .

O arroz, por exemplo, subiu quase 120% no atacado e 62% no varejo. A carne bovina 33,6% de alta, e o óleo de soja chegou a aumentar 99,1%.

IPCA (índice de preços ao consumidor)

A estimativa de inflação para o ano que vem também subiu. De acordo com a previsão do Banco Central, o IPCA deve fechar o ano em 4,21%. Em agosto, a estimativa era de 1,63%.

Segundo a FGV, o IPCA deve continuar subindo até maio do próximo ano, quando deve ficar acima de 6% em 12 meses. Depois, a estimativa é de queda para fechar o ano entre 3,55% e 4,5%, a depender de alguns fatores: a estabilidade ou valorização do real, o fim do ciclo de alta de preços de commodities no exterior e o fim do desequilíbrio entre oferta de demanda.Continua após a publicidade

“Primeiro, precisa de uma estabilidade maior da taxa de câmbio, o que a gente só vai conquistar tendo um cenário fiscal mais claro. Ainda que a gente tenha uma valorização do real nos próximos meses, se o preço dessas commodities seguir avançando lá fora, como tudo indica, esses impactos ao produto vão continuar ”, afirma Andre Braz, coordenador do núcleo de preços ao consumidor do Ibre.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *