Taxa de desemprego tende a permanecer elevada em 2022, diz pesquisa

Lucro do FGTS: veja como simular o quanto a Caixa deposita para você
18 de agosto de 2021
Governo estuda não reajustar Bolsa Família, só ampliar número de recebedores
23 de agosto de 2021

Relatório de Acompanhamento Fiscal da Instituição Fiscal Independente (IFI) aponta que o desemprego seria de 20,7% se muitas pessoas não tivessem parado de procurar uma ocupação

Relatório de Acompanhamento Fiscal aponta que o desemprego seria de 20,7% se muitas pessoas não tivessem parado de procurar uma ocupação
Marcello Casal Jr/Agência BrasilRelatório de Acompanhamento Fiscal aponta que o desemprego seria de 20,7% se muitas pessoas não tivessem parado de procurar uma ocupação

O Banco Central (BC) divulgou na sexta-feira (13) o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) , conhecido como uma “prévia do PIB” (Produto Interno Bruto), registrou um pequeno crescimento de 0,12% no segundo trimestre deste ano, o que mostra lentidão na retomada econômica e indica um mercado de trabalho com ritmo de contratação desacelerado em 2022, sem contar a imprevisibilidade com novas variante da pandemia de Covid-19. 

Segundo o  Relatório de Acompanhamento Fiscal da IFI (Instituição Fiscal Independente), ligada ao Senado, o desemprego estaria em 20,7% caso a taxa de participação fosse mantida no nível pré-pandemia. Continua após a publicidade

A taxa de participação é a relação entre o número de pessoas empregadas e o número de pessoas em idade de trabalhar e atingiu 57,3% no trimestre encerrado em maio. 

Dados da Pnad Contínua, divulgada nesta sexta-feira (30) pelo IBGE, mostram que falta trabalho para 32,9 milhões de brasileiros . É a chamada mão de obra “desperdiçada”, pois engloba desocupação, subocupação e a desistência da procura por trabalho.

Além disso, o estudo afirma que se as contrações não avançarem a um ritmo expressivo, suficiente para absorver as pessoas que estão retornando da pandemia, a tendência é que a taxa de desemprego permaneça em patamares historicamente elevados.

Informalidade

Com base na PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), o estudo mostra que o avanço na taxa de ocupação só foi possível graças ao aumento da informalidade. 

“Os números mostram aumento de trabalhadores informais (de 32,3 milhões no trimestre encerrado em maio de 2020 para 34,7 no trimestre encerrado em maio de 2021 e variação de 7,5%), com destaque ao avanço do número de pessoas ocupadas por conta própria. O número de pessoas nessa posição passou de 22,4 milhões para 24,4 milhões (alta de 8,7%). A título de comparação, o número de trabalhadores formalizados sofreu redução de 3,1% nessa base de comparação (passando de 53,6 milhões para 51,9 milhões).”

Mesmo assim, a população ocupada ainda é 6,8% menor que em fevereiro de 2020, patamar pré pandemia. Segundo a IFI, em maio o Brasil possuía 86,7 milhões de pessoas ocupadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *