Varejo interrompe 7 meses de alta em dezembro, mas cresce 1,8% em 2019

Setores de comércio e serviços abriram 171.149 vagas formais em 2019
11 de fevereiro de 2020
Com recuo no varejo, dólar bate novo recorde e alcança R$ 4,35 pela primeira vez
13 de fevereiro de 2020

O varejo nacional teve leve retração de 0,1% em dezembro, na comparação com novembro do ano passado, interrompendo sete meses seguidos de avanço nas vendas. No acumulado em 2019, o setor cresceu 1,8% e fechou o terceiro ano consecutivo de taxas positivas. Os dados são da Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada hoje pelo IBGE.

Na comparação com dezembro de 2018, houve avanço de 2,6% nas vendas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. A expectativa em pesquisa da agência Reuters era de alta de 0,2% na comparação mensal e de avanço de 3,5% sobre um ano antes.

De acordo com a gerente da pesquisa, Isabella Nunes, a presença de recursos extras devido a liberação dos saques nas contas do FGTS a partir do mês de setembro e a melhoria na concessão de crédito à pessoa física podem ter influenciado esse resultado no segundo semestre.

“O comércio ainda não se recuperou totalmente da crise de 2015 e 2016, mas está em seu momento mais elevado desde outubro de 2014”, afirmou.

Das oito atividades pesquisadas pelo IBGE no comércio varejista, seis tiveram taxas negativas de novembro para dezembro, com destaque para as quedas em hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,2%). “Essa atividade, que tem peso de 44% no total do varejo, foi particularmente afetada pelo comportamento dos preços das carnes”, explicou a gerente.

Do lado dos avanços, estão os setores de móveis e eletrodomésticos (3,4%) e de livros, jornais, revistas e papelaria (11,6%). Segundo Isabella, um fator que pode ter influenciado nos resultados positivos para o setor de móveis e eletrodomésticos foi a Black Friday.

“A Black Friday em 2019 caiu na última sexta-feira do mês de novembro, o que levou o comércio a expandir as promoções para o fim de semana e, assim, muitas das vendas desse evento ocorreram já em dezembro, no domingo do dia 1º.”

De novembro para dezembro, 18 das 27 unidades da Federação apresentaram queda nas vendas do varejo. Os piores resultados foram em Roraima (-13,8%), Rondônia (-9,5%) e Acre (-8,2%). Por outro lado, seis estados e o Distrito Federal tiveram resultado positivo, com destaque para Rio Grande do Sul (3,5%), Amapá (2,0%) e Rio de Janeiro (1,7%). Santa Catarina e Pernambuco não apresentaram variação.

Em comparação a dezembro de 2018, houve resultado positivo em 17 estados e no Distrito Federal. Destaque para Amapá (38,7%), Paraíba (10,0%) e Tocantins (8,5%). Entre as variações negativas estão Rondônia (-6,8%), Ceará (-2,8%) e Paraná (-2,8%).

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, peças e de material de construção, o volume de vendas em dezembro caiu 0,8% em relação a novembro de 2019, segunda taxa negativa seguida. Frente a dezembro de 2018, houve aumento de 4,1%, nona taxa positiva consecutiva.

Comparado a 2018, o varejo ampliado acumulou alta de 3,9% em 2019.

Fonte: UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *