Varejo paulista abre mais de 15 mil postos de trabalho em novembro, o melhor desempenho do ano, aponta FecomercioSP

Emprego no varejo atinge melhor patamar desde 2014
16 de janeiro de 2018
Dia de São Sebastião altera horário do comércio de Ribeirão Preto
18 de janeiro de 2018

Segundo a Entidade, resultado já era esperado, dada a necessidade dos varejistas de aumentar o seu quadro de funcionários para atender à demanda do Natal

Em novembro, o comércio varejista no Estado de São Paulo criou 15.206 postos de trabalho, o melhor desempenho em 2017, resultado de 81.615 admissões e 66.409 desligamentos. Foi o quinto mês consecutivo de geração de empregos formais. Com isso, o varejo paulista encerrou o mês com um estoque ativo de 2.088.284 trabalhadores formais, crescimento de 0,01% em relação a novembro de 2016. Embora tímida, essa é a segunda taxa positiva seguida desde abril de 2015.

No acumulado do ano, o saldo passou a ser positivo em 5.401 novos empregos, influenciado pelo setor de supermercados, com 7.545 vagas a mais. Entre dezembro de 2016 e novembro de 2017, 268 vagas foram abertas.

Os dados compõem a Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, calculado com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Para a assessoria econômica da FecomercioSP, os números do mercado de trabalho formal do comércio varejista no Estado de São Paulo em novembro são animadores. É o melhor resultado mensal em 2017, e o processo de reação fica mais evidente ao verificar que em todos os meses do segundo semestre o número de admissões foi superior ao de desligamentos.

Entre as nove atividades analisadas, cinco criaram empregos formais em novembro, com destaque para os setores de lojas de vestuário, tecidos e calçados (8.626 vagas); supermercados (4.189 vagas); e eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (2.876 vagas). Por outro lado, os segmentos de autopeças e acessórios e de materiais de construção fecharam 502 e 929 postos de trabalho, respectivamente.

A assessoria econômica da FecomercioSP reforça que o melhor resultado na geração de empregos formais visto em novembro é decorrência da necessidade dos estabelecimentos de aumentar o seu quadro de funcionários para atender à demanda do Natal, melhor data para o varejo, em conjunto com a melhora do ambiente econômico e das vendas. Mesmo assim, a expectativa é que ainda haja mais desligamentos que admissões no acumulado de 2017, porque, sazonalmente, o saldo de dezembro é negativo.

Varejo paulistano
Na capital paulista, o varejo abriu em novembro 2.988 postos de trabalho, resultado de 23.435 contratações contra 20.447 desligamentos. No acumulado dos últimos 12 meses, foram criadas 572 vagas. Com isso, o comércio varejista paulistano encerrou o mês com um estoque de 652.612 trabalhadores formais, crescimento de 0,2% em relação a novembro de 2016.

Quatro das nove atividades pesquisadas registraram aumento no estoque de trabalhadores em relação a novembro de 2016, com destaque para farmácias e perfumarias (3,8%) e autopeças e acessórios (1,6%), enquanto as maiores quedas foram observadas em concessionárias de veículos (-2,8%) e lojas de vestuário, tecidos e calçados (-1,9%).

No mês, as lojas de vestuário, tecidos e calçados (2.601 empregos) e o segmento de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (568 vínculos) abriram o maior número de vagas com carteira assinada. Os piores resultados ficaram por conta dos setores de lojas de materiais de construção (-377 vagas) e outras atividades (-86 empregos).

Nota metodológica
A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de departamento; matérias de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecido e calçados; supermercado e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Fonte: FecomercioSP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *