Varejo tem queda de 6,1% em dezembro, mas fecha 2020 com alta de 1,2%

Inflação desacelera para 0,25% em janeiro, menor patamar desde agosto
9 de fevereiro de 2021
18 de fevereiro de 2021

1 evento ao vivoCORONAVÍRUS

Resultado foi o pior para um mês de dezembro desde o início da série histórica do IBGE, em 2000

As vendas do comércio varejista caíram 6,1% em dezembro na comparação com novembro, quando variou -0,1%. É a queda mais intensa para um mês de dezembro de toda a série histórica, iniciada em 2000. Apesar dos resultados negativos nos últimos dois meses do ano, o acumulado de 2020 fechou com alta de 1,2%. É a quarta vez seguida que o comércio tem alta anual: 2,1% em 2017; 2,3% em 2018 e 1,8% em 2019. Com o recuo de dezembro, as vendas do varejo se igualaram ao patamar de fevereiro, período pré-pandemia, segundo dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgados nesta quarta-feira, 10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, recuou 3,7% em relação a novembro e fechou o ano em queda de 1,5%, após três anos consecutivos de altas. Em relação a dezembro de 2019, o crescimento foi 2,6%, sexta taxa positiva seguida nessa base de comparação.

“Os resultados da pesquisa costumam ter variações menores, mas com a pandemia, houve uma mudança desse cenário, já que tivemos dois meses (março e abril) de quedas muito grandes”, disse o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Com a base de comparação muito baixa, o resultado do varejo foi de crescimento de maio até outubro, quando apresentou o maior patamar da série histórica e ultrapassou o patamar pré-pandemia. “A queda em dezembro é um reposicionamento natural, já que o patamar estava muito alto com os resultados de outubro e novembro”, complementa o analista.

Outro fator de influência para o resultado nos últimos meses do ano é a inflação dos alimentos. Segundo Santos, o comércio em hiper e supermercados têm um peso maior para a PMC, quase a metade do resultado total. “O que acontece nos mercados influencia bastante a pesquisa. E, por conta dos resultados recentes do IPCA, o volume de vendas acabou sendo afetado”, justifica. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mede a inflação oficial do País.

O crescimento do comércio varejista no acumulado de 2020 veio após um primeiro semestre de queda (-3,2%) e um segundo semestre de alta (5,1%). O comércio varejista ampliado apresentou a mesma dinâmica (-7,7% e 4,2%, respectivamente) mas o resultado não foi suficiente para a o indicador fechar o ano com taxa positiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *