Vendas do comércio têm queda em outubro

Comerciante pode entregar pilhas e baterias portáteis pós-consumo, recebidas dos consumidores, na sede do SINCOVARP
19 de novembro de 2018
Horário de funcionamento do comércio em dezembro
21 de novembro de 2018

Setor de calçados apresentou crescimento de 1,50%; empresas contrataram no período, segundo levantamento do SINCOVARP

O comércio de Ribeirão Preto mostrou em outubro queda nas vendas de 3,19%, quando comparadas ao mesmo mês do ano passado. É o que aponta a Pesquisa Movimento do Comércio, realizada mensalmente pelo Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto e Região (SINCOVARP).

Esse foi o segundo pior resultado do ano, perdendo apenas para maio, quando a redução chegou a 3,99%. Entre as empresas entrevistadas, 64,5% afirmaram que as vendas de outubro de 2018 foram piores do que no mesmo período do ano passado, enquanto 29,2% declararam o contrário e, 6,3% consideraram as vendas nos dois períodos equivalentes.

Setorial – Entre os setores pesquisados apenas Calçados teve resultado positivo, com um aumento das vendas de 1,50%, os demais apresentaram quedas significativas. Os piores números foram para Eletrodomésticos (6,20%), Presentes (5,48%), Móveis (4,50%), Vestuário (4,43%), Livraria/Papelaria (2,60%), Ótica (2,50%), Tecidos/Enxoval (2,40%) e Cine/Foto (2,15%).

Emprego – No que se refere ao emprego no comércio, a pesquisa apurou que, apesar da queda nas vendas, ocorreu uma pequena elevação no número de postos de trabalho em outubro de 0,25%. Entre as empresas entrevistadas, 95,8% declararam que mantiveram seus quadros funcionais inalterados durante o mês, enquanto 4,2% disseram ter contratado no período e nenhuma das consultadas declarou ter realizado demissões.  Os setores que contrataram foram Eletrodomésticos (1,82%) e Tecidos/Enxoval (0,45%).

Análise – Segundo Marcelo Bosi Rodrigues, economista do SINCOVARP, responsável pelo estudo, uma das principais inimigas da economia é a incerteza. “O cenário político indefinido e extremamente polarizado que dominou o país no período que antecedeu as eleições mantiveram a economia em compasso de espera. Nenhum agente econômico, com o mínimo de juízo, ousou tomar decisões com grandes desdobramentos nesse período, o que resultou em uma estagnação da atividade econômica em geral”, comenta.

“O comércio também sofreu com esse clima de incerteza e acabou amargando a queda observada. Passadas as eleições, as reações dos mercados foram positivas, indicando que apesar do resultado observado, o final do ano pode reservar surpresas positivas. É o que se espera”, finaliza Rodrigues.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *