Vendas no varejo de Ribeirão Preto caem -1,97% em janeiro

Banco Central reduz Selic pela quarta vez, para 12,25%
24 de fevereiro de 2017
Dólar opera em queda após o carnaval
1 de março de 2017

Setor de Livraria/Papelaria foi o que mais contratou e o que menos vendeu, segundo a pesquisa Movimento do Comércio, do SINCOVARP

Depois de registrarem variação positiva no último mês de dezembro, as vendas do comércio de Ribeirão Preto (SP) caíram -1,97%, em janeiro de 2017, na comparação com o mesmo período do ano passado, é o que aponta a pesquisa Movimento do Comércio, realizada pelo SINCOVARP – Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto e Região.

 Entre as empresas entrevistadas, 50,0% consideraram que venderam menos em janeiro de 2017 do que em janeiro do ano anterior, enquanto 43,8% declararam o contrário e 6,3% responderam que as vendas foram equivalentes.

 Setorial

O pior resultado de vendas foi o do setor de Livraria/Papelaria (–5,45%), justamente em um mês em que deveria faturar mais. Em seguida vieram os setores de Ótica e de Tecidos/Enxoval, ambos com queda de –3,67%, Móveis (–3,58%), Eletrodomésticos (–3,11%), Presentes (–0,84%) e Cine/Foto (–0,13%). Variação positiva tiveram os setores de Vestuário (+1,75%) e de Calçados (+0,94%).

 Emprego

A pesquisa apontou uma queda de –0,14% no nível de emprego do comércio varejista de Ribeirão Preto, em janeiro, resultado muito próximo da estabilidade. Entre as empresas entrevistadas, 95,8% mantiveram o número de funcionários no período, enquanto 2,1% demitiram e, igual percentual, 2,1%, admitiram novos colaboradores. O setor que mais contratou foi o de Livraria/Papelaria (+2,78%), já o que teve maior redução foi o de Tecidos/Enxoval (–4,00%).

 Análise

Segundo Marcelo Bosi Rodrigues, economista do SINCOVARP e responsável pela pesquisa, a economia continua “morna”. “Embora muitos indicadores econômicos, como taxa de juros, câmbio e inflação, tenham começado a dar sinais de melhora, outros como taxa de desemprego e consumo, que impactam diretamente no dia a dia das famílias, continuam ruins. Esse cenário, embora traga uma melhoria na expectativa futura, não é suficiente para aquecer a economia e melhorar as vendas”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *