Em Ribeirão Preto foram criadas 6,9 mil vagas em 2018

Decreto autoriza o parcelamento do recolhimento do ICMS das vendas de Natal
23 de janeiro de 2019
Mercado de trabalho do varejo da região de Ribeirão Preto cria 1.394 empregos formais em novembro
25 de janeiro de 2019

Dados do Caged, divulgados nesta quarta (23), mostram que criação de empregos teve o melhor resultado em Ribeirão desde 2013

O Ministério da Economia divulgou na manhã desta quarta-feira (23), o balanço final de 2018 do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que apontou que foram criados 6,9 mil postos de trabalho em Ribeirão Preto durante todo o ano passado, mesmo assim, dezembro de 2018 apresentou queda na criação de empregos.

Ao todo, foram 96,2 mil admissões em Ribeirão Preto, ante 89,2 mil demissões. O setor que contribuiu para o maior crescimento na quantidade de contratações foi o de Serviços, que abriu 4,6 mil postos de trabalho durante o ano de 2018, especialmente na área da Saúde, com mais de 1 mil novos profissionais trabalhando.

Já o Comércio, que abriu 1,8 mil vagas de emprego com carteira assinada, e a Construção Civil, que contratou 569 novos trabalhadores, vieram em seguida.

“Ainda não dá para dizer que teve uma grande melhora, em relação aos últimos anos. O resultado de Ribeirão Preto ainda é muito atrelado ao que ocorre no resto do Brasil, o que não é ruim. É uma recuperação lenta ainda, pois o que gera emprego é o desempenho da economia, não tem jeito”, comentou o economista Luciano Nakabashi, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da Universidade de São Paulo (USP).

Esse é o melhor resultado para a criação de empregos com carteira assinada em Ribeirão Preto desde o ano de 2013, segundo o Caged. Naquela ocasião, mais de 7 mil postos de trabalho foram abertos na cidade.

Apesar do resultado positivo na criação de empregos formais no ano passado, dezembro foi na contramão das contratações, e fechou 566 postos de trabalho. Com a Construção Civil (-341 vagas) e a Indústria de Transformação (-284 vagas), como os principais vilões do mercado de trabalho. Serviços também demitiu mais do que contratou em dezembro (-38 vagas), e o Comércio apresentou resultado positivo (137 empregos criados).

“A questão da criação de empregos em dezembro é cíclica. É uma questão sazonal. Isso porque, as empresas costumam fazer as contratações entre os meses de agosto e setembro, para produção visando o final do ano. E, em dezembro, costuma ocorrer uma demissão grande. Mas, no geral, o que importa é o ano inteiro, e tem melhorado”, concluiu o economista.

O resultado negativo das contratações mês de dezembro já havia sido refletido nas vendas de final de ano, como foi apontado pelo Sindicato do Comércio Varejista de Ribeirão Preto e Região (Sincovarp). Na última semana, a entidade havia divulgado um levantamento que mostrou que as vendas no comércio de Ribeirão Preto, no último mês do ano, havia apresentado queda.

De acordo com o Sincovarp, As vendas do comércio de Ribeirão Preto tiveram queda de 0,60% em dezembro de 2018 quando comparadas com o mesmo período do ano anterior, que teve variação positiva de 0,38%.

Fonte: A Cidade On

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *