Taxa básica de juros: BC deve elevar Selic a 3,5% ao ano hoje

Indústria tem primeiro resultado positivo desde setembro de 2019
4 de maio de 2021
IR 2021: aprenda a aumentar a restituição e diminuir os impostos a pagar
6 de maio de 2021



Levantamento do GLOBO com 21 instituições financeiras aponta para aumento de 0,75 ponto percentual. Preocupação com a inflação de 2022 já está no radar

Siga o iG no Google News

Por Agência O Globo | 05/05/2021 06:55

BC define hoje a taxa básica de juros
Redação 1Bilhão Educação FinanceiraBC define hoje a taxa básica de juros

Banco Central (BC) deve elevar, novamente, a taxa de juros em 0,75 ponto percentual na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que termina nesta quarta-feira (5). Pelo menos, essa é a aposta dos agentes de mercado , segundo levantamento realizado pelo GLOBO com 21 instituições financeiras e corretoras.

Com isso, a Selic deve passar dos atuais 2,75% para o patamar de 3,50%. Para o fim do ano, a maioria das casas aposta em uma taxa de 5% .

No último boletim Focus, relatório semanal divulgado pelo BC com as projeções do mercado, as expectativas para a Selic estavam em 5,5% para o término deste ano e 6,25% para o fim de 2022.

A decisão do Comitê já vem sendo adiantada pelo presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, que em aparições públicas ressaltou que um novo aumento em 0,75 iria ocorrer, seguindo a comunicação divulgada em março.

Ele demonstrou preocupação com uma inflação persistente, ainda que temporária, e com o risco fiscal. E tem motivos para isso.

O IPCA-15, prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,6% em abril. No acumulado dos últimos 12 meses, o índice acumula alta de 6,17%. O resultado ultrapassa o teto da meta estabelecida pelo BC para 2021, que é de 5,25%.

O foco, portanto, deve se dar mais em qual será a sinalização da autoridade monetária no comunicado que acompanha a taxa. Especialmente sobre a indicação ou não de uma normalização parcial da Selic.

Segundo analistas ouvidos pelo GLOBO, a preocupação com o real desvalorizado frente ao dólar e o efeito que isso causa para o aumento dos preços estão no radar do Banco Central.

Além disso, segundo eles, já há a preocupação de que a elevação da inflação deste ano começasse a afetar as expectativas para 2022.

Efeito no dólar

Desde a última reunião, o dólar apresenta oscilação. A divisa americana chegou a superar a casa dos R$5,80 em alguns pregões, mas deu sinais de desvalorização nas últimas semanas, fechando pela primeira vez com uma queda mensal no ano, em abril.

Para o superintendente executivo de Macroeconomia do Santander, Maurício Oreng, a decisão do Copom de elevar a taxa em março teve efeitos na queda do dólar, mas fatores internacionais influenciaram mais na valorização do real.

“Tem um movimento internacional, com as expectativas de retomada da economia e política monetária expansionista, que deve continuar por mais tempo. A resolução da questão do Orçamento também evitou uma deterioração em curto prazo”, disse Oreng, destacando que a questão fiscal ainda preocupante do país limita o otimismo em relação aos ativos brasileiros.

Já para o economista-chefe da Novus Capital, Tomás Goulart, o impasse em relação à aprovação do Orçamento contaminou o noticiário econômico durante todo o mês de abril, impedindo que a alta de juros tivesse um efeito mais rápido sobre o dólar.

“Quando a questão do Orçamento foi solucionada, isso permitiu que o efeito da subida dos juros, além do esperado, começasse a prevalecer.”

Segundo Goulart, um dos principais responsáveis pelo desempenho ruim do real frente ao dólar é justamente a baixa taxa de juros. Isso porque ela diminui a rentabilidade que investidores estrangeiros teriam ao alocar seus recursos no Brasil.

Os analistas ainda destacam que a inflação no país sofre de um efeito externo, pois com o dólar elevado somado à alta das commodities, os preços das matérias-primas ficam mais caros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *